Publicidade

Posts com a Tag fraude

quarta-feira, 27 de abril de 2011 Leilões, TJs | 20:29

Justiça arrecada R$ 1,81 mi com leilão de imóveis de Jorgina de Freitas

Compartilhe: Twitter

O leilão dos seis primeiros imóveis da advogada Jorgina Maria de Freitas Fernandes, considerada a maior fraudadora da previdência social do País, arrecadou R$ 1,81 milhão. O leilão foi realizado nesta quarta-feira (27/4) pelo Tribunal de Justiça do Rio.

Essa foi a segunda tentativa de venda dos imóveis. Na primeira, realizada no dia 13 de abril, o leilão não atraiu compradores, uma vez que as propriedades foram oferecidas pelo preço de avaliação, totalizando R$ 1, 96 milhão. Nessa segunda praça, os lances começaram a partir de 60% do valor dos imóveis.

A propriedade mais valiosa, um casarão em Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, foi arrematado por R$ 930 mil.

Jorgina de Freitas foi condenada a 14 anos de prisão, em regime inicialmente fechado, em julho de 1992. Ela ficou foragida até 1997, quando foi encontrada na Costa Rica e extraditada no ano seguinte para o Brasil. A advogada foi presa em fevereiro de 1998. Em junho de 2010, sentença declarou extinta a pena privativa de liberdade da ré pelo seu integral cumprimento, sendo o alvará de soltura expedido no mesmo mês.

A fraude consistia em aumentar indevidamente o cálculo judicial de aposentadorias supostamente devidas. Os juízes integrantes da quadrilha homologavam o cálculo e determinavam o pagamento, que era feito imediatamente pelo braço da quadrilha dentro do INSS. Foram desviados mais de R$ 500 milhões.

De acordo com informações do processo divulgadas pelo TJ-RJ, ela adquiriu cerca de 60 imóveis em Curitiba, no Paraná; Minas Gerais, Búzios, Rio das Ostras, Cabo Frio, Nova Iguaçu, Petrópolis e Volta Redonda. No Rio, há apartamentos no Leblon, terrenos na Barra da Tijuca e demais imóveis em Jacarepaguá, Andaraí e na Rua Uruguaiana, no Centro da cidade. Os demais imóveis serão leiloados em lotes, após reavaliação.

Leia também:
Leilão de imóveis de fraudadora do INSS termina sem lances

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 28 de outubro de 2010 Direito eletrônico | 06:00

90% das empresas brasileiras sofreram fraudes eletrônicas em 2010

Compartilhe: Twitter

Cerca de 90% das empresas brasileiras já sofreram fraudes eletrônicas em 2010. É o que aponta o levantamento da Global Fraud Report e da The Economist Intelligence Unit, da revista The Economist. O relatório foi solicitado pela consultoria norteamericana Kroll, que tem sede no Brasil, especializada em gerenciamento de riscos.

O Brasil fica atrás apenas da China, com 98% das empresas afetadas, e da Colômbia, com 94% de incidência de fraudes.

Apesar da existência do crime e da possibilidade de processar os autores, a maioria das empresas prefere não procurar a Justiça. “Muitas não vão aos tribunais. Elas estão descrentes com o resultado que ir à Justiça pode trazer. A maioria acha que é algo muito oneroso e que o conjunto de provas solicitadas é extremamente complexo. Por isso, se torna mais barato desligar o funcionário que cometeu a fraude”, afirma Vander Giordano, diretor Executivo da Kroll em São Paulo.A postura dessas empresas, no entanto, é criticada por Giordano. “Isso não é o mais recomendado”.

Metodologia
A pesquisa foi realizada com 801 executivos sênior em todo o mundo e teve início em março deste ano, sendo publicada em outubro. Dos entrevistados, 29% foram baseados na América do Norte, 25% na Europa, pouco menos de um quarto da região da Ásia e 11% da América Latina e Oriente Médio e África. Além disso, as empresas escolhidas têm receitas mundiais anuais maiores que US$ 1 bilhão.

“Quem comete a fraude geralmente está dentro da empresa. Os criminosos praticam o estelionato industrial, tomam pose de informações financeiras e confidenciais e colocam a empresa em risco”, disse Giordano.

E se engana aquele que ainda tem a visão hollywoodiana do criminoso e espera por um sujeito feio e mau vestido. “Esse não é o estereótipo de quem pratica esse crime. O cibercriminoso é um sujeito com alto grau de escolaridade, boa aparência, bom domínio de informática, entre outras características”, explica o representante da Kroll no Brasil.

Para as empresas que foram afetadas pela fraude no ano passado, os empregados mais jovens e a gestão sênior foram os autores mais provavéis em 22% cada, seguido por agentes ou outros de níveis intermedários em 11%.

A proporção de fraudes realizadas por estes trabalhadores foi de 50% a 60% na América do Norte, Europa e Ásia e 71% no Oriente Médio e África. O número caiu para 42% na América Latina, onde os casos de fraude estão mais concentrados na relação com clientes.

Leia também:
Bancos perderam R$ 900 milhões em fraudes eletrônicas em 2009
Lei que regula crimes na Internet pode valer em 2011

Autor: Tags: , ,

sábado, 25 de setembro de 2010 Advocacia | 23:40

Após fraudes, OAB usa identificação digital em prova

Compartilhe: Twitter

A Fundação Getúlio Vargas (FGV), nova responsável pela organização e realização do Exame de Ordem Unificado em todo o país, optou por adotar diretrizes mais modernas de segurança para a realização da prova, que acontece a partir das 14h deste domingo (26). Até identificação digital será utilizada.

Os candidatos serão submetidos à identificação grafológica (escrita) e datiloscópica (forma utilizada para a identificação por meio do desenho papilar existente na polpa dos dedos). Além disso, os inscritos devem enfrentar detectores de metais, quando serão recolhidos todos os equipamentos eletrônicos e materiais não permitidos, em envelope de segurança não reutilizável, que deverá permanecer lacrado durante toda a realização das provas e somente poderá ser aberto após o examinando deixar o local de provas.

Antes do início do exame, o responsável pela aplicação da prova na unidade requisitará a presença de dois candidatos que, com dois representantes credenciados da OAB e dois integrantes da equipe de aplicação do Exame, deverão acompanhar a abertura da embalagem de segurança onde ficarão acondicionados os envelopes de segurança lacrados com os cadernos de provas, folhas de respostas, entre outros instrumentos.

Todos deverão assinar ata testemunhando que o material se encontrava devidamente lacrado e com seu sigilo preservado.

O bacharel deverá permanecer obrigatoriamente no local de realização das provas por, no mínimo, quatro horas após o início das provas. Os três últimos candidatos de cada sala só poderão sair juntos e deverão testemunhar o lacre da embalagem de segurança pelo fiscal da prova, contendo os documentos que serão utilizados na correção das provas e assinando termo quanto a esse procedimento.

Os aprovados na primeira fase do Exame de Ordem estarão aptos a prestar a segunda fase, que deverá acontecer no dia 14 de novembro de 2010, das 14h às 19h.

Leia mais:
SP tem mais de 9 mil inscritos na prova da OAB deste domingo

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 4 de agosto de 2010 Advocacia | 18:31

Após fraudes, OAB muda responsável pelo Exame de Ordem

Compartilhe: Twitter

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) será a nova responsável pela organização e realização do Exame de Ordem Unificado em todo o país. A decisão é do Colégio de Presidentes de Seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil e da Diretoria do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A mudança se deve, basicamente, pela fraude ocorrida na segunda etapa do terceiro exame aplicado pela OAB.

De acordo com o órgão que representa os advogados, o contrato mantido com a Fundação Universidade de Brasília (FUB) para a organização e realização dos Exames de Ordem Unificados de 2010, serviços que ela prestava por meio do Centro de Seleção e Promoção de Eventos (Cespe/UnB), foi rescindido.

A fraude ocorrida no exame de ordem e em vários concursos públicos em todo o país fez com que a Polícia Federal deflagrasse, em 16 de junho deste ano, a Operação Tormenta. Mais de cem pessoas já foram ouvidas.

O grupo atuava por meio de aliciamento de pessoas que tinham acesso ao caderno de questões, para acesso antecipado às provas; repasse de respostas por ponto eletrônico durante a realização do concurso e a indicação de uma terceira pessoa mais preparada para fazer o concurso no lugar do candidato-cliente, disse a PF.

Leia mais:
Policial é preso por fraude em prova da OAB; advogado é procurado
Sentenças deverão ter texto fácil; advogados aprovam
Justiça indefere honorários de advogados em 34 processos
OAB-SP entrega a carteira de advogado de número 300 mil

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 3 de agosto de 2010 Advocacia, Judiciário | 09:39

Policial é preso por fraude em prova da OAB; advogado é procurado

Compartilhe: Twitter

Um policial rodoviário federal foi preso, de novo, por envolvimento com a fraude no Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Além dele, a Justiça também determinou a prisão domiciliar de um advogado envolvido com a quadrilha. Ele ainda está sendo procurado pelos policiais.

Eles são dois dos 30 indiciados nas investigações da Operação Tormenta, desencadeada no mês de junho para investigar uma quadrilha que fraudava concursos públicos em todo o país. O policial já tinha sido preso temporariamente no dia 16 de junho, quando do inicio da Operação Tormenta.

Segundo a Polícia Federal, a prisão preventiva do policial rodoviário, que ocorreu na última sexta-feira (30), em Guarulhos (SP), foi decretada pela Justiça Federal em Santos depois de um pedido feito pela PF no relatório final do inquérito que investigava especificamente irregularidades no Exame da Ordem da OAB.

Além dele, a Justiça também determinou a prisão domiciliar de um advogado envolvido com a quadrilha. Ele ainda está sendo procurado pelos policiais.

No relatório final, a PF indiciou mais de 30 pessoas entre integrantes da quadrilha e candidatos que teriam se beneficiado com o vazamento da prova. Entre os crimes investigados estão formação de quadrilha, estelionato, peculato e receptação.

Leia também:
Sentenças deverão ter texto fácil; advogados aprovam

Autor: Tags: , ,