Publicidade

Posts com a Tag Bradesco

sexta-feira, 26 de agosto de 2011 Escritórios | 16:30

Demarest auxilia negócio entre Bradesco e grupo chileno

Compartilhe: Twitter

O escritório Demarest e Almeida Advogados conduziu os trabalhos de negociação do mais novo projeto de expansão das operações de cartões do grupo chileno Cencosud juntamente com o Banco Bradesco no Brasil.

O grupo Cencosud – terceiro maior grupo varejista da América Latina – fechou contrato com o Bradesco para oferecer cartões de crédito e outros produtos financeiros através de seus supermercados no País.

O acordo deve movimentar cerca de R$ 200 milhões referentes a operações de emissão de cartões de crédito e prestação de outros serviços financeiros pelo Banco Bradesco.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 27 de julho de 2011 planos econômicos | 05:02

Poupadores do Banco Mercantil podem pedir revisão do Plano Verão

Compartilhe: Twitter

Uma ação civil pública movida pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) garantiu a clientes do banco Mercantil o direito de pedirem na Justiça o pagamento da revisão pelas perdas da caderneta no período. Serão beneficiados poupadores que tiveram prejuízos com o Plano Verão.

Quem sucedeu o Banco Mercantil é o Banco Bradesco. A decisão que condena o Banco Mercantil ao pagamento das diferenças decorrentes do Plano Verão se tornou definitiva em maio deste ano, e a partir de agora, todos aqueles que possuíam, no Estado de São Paulo, caderneta de poupança na instituição que aniversariava na primeira quinzena de janeiro de 1989, já podem iniciar a execução da ação para receber o valor perdido.

Segundo a gerente jurídica do Idec, Maria Elisa Novais, para ingressar com a ação é preciso que o poupador tenha os extratos relativos à conta poupança de janeiro e fevereiro de 1989. Também é importante procurar um advogado para ir ao judiciário.

“O poupador pode conseguir os extratos diretamente no banco. A microfilmagem pode ser cobrada, mas não pode ser negada. Se negada, vale uma reclamação ao SAC do banco, à Ouvidoria e ao Banco Central”, recomenda.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 25 de julho de 2011 Judiciário, TJs | 19:14

BB, Bradesco e C&A participam de mutirão da Justiça no Rio

Compartilhe: Twitter

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro deu início nesta segunda-feira (25/7) ao mutirão de audiências para agilizar a solução, por meio de acordos, de processos envolvendo o Banco do Brasil, o Bradesco, a C&A e o IBI. Ao todo, foram antecipados 180 processos.

Com o mutirão, dez audiências podem ser realizadas simultaneamente. De acordo com o titular do 2º Juizado Especial Cível e coordenador do Centro Permanente de Conciliação, Flávio Citro, as quatro empresas estão entre as 30 maiores litigantes do estado.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 30 de setembro de 2010 Bancos, TJs | 14:11

Bancos lideram ranking de ações na Justiça paulista

Compartilhe: Twitter

Os bancos aparecem com destaque num ranking elaborado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que aborda as cem maiores instituições — públicas ou privadas — que mantém demandas no judiciário estadual. A lista foi elaborada pelo TJ atendendo determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A pesquisa analisou as empresas mais litigantes, ou seja, aquelas que têm ações na Justiça tanto como autor quanto ré. Na somatória da capital e interior, a dianteira da lista está com a Telefônica, com 54.547 processos. Da segunda à quinta colocação aparecem instituições bancárias como Itaú, Bradesco, ABN Amro e Nossa Caixa, respectivamente.

Apenas no interior, a Nossa Caixa encabeça a fila (87.796), enquanto que na Capital, o Bradesco é o primeiro colocado (19.989).

Na segunda instância os três primeiros postos são ocupados pela Fazenda do Estado de São Paulo (255.388), Instituto Nacional de Seguro Social – INSS (136.032) e Prefeitura de São Paulo (56.210).

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 29 de junho de 2010 Concorrência | 05:30

"Cade tem abacaxi sem faca", diz Badin sobre briga com bancos

Compartilhe: Twitter

Arthur Badin defende definição sobre competência no sistema bancário

A indefinição sobre quem deve apreciar a aquisição de um banco por outro – motivo de debate entre o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e o Banco Central do Brasil (Bacen) – prejudica as discussões dessa natureza no órgão antitruste. A avaliação é do presidente do Cade, Arthur Badin. “O Cade tem o abacaxi para descascar, mas não tem a faca”, comparou.

A questão está pendente no Superior Tribunal de Justiça (STJ) desde o ano passado, quando um pedido de vista do ministro Humberto Martins adiou, pela quarta vez, a discussão sobre a compra do Banco de Crédito Nacional – BCN pelo Bradesco.

No processo, as instituições financeiras questionam a legalidade da decisão do Cade que determinou a aplicação da Lei Bancária e da Lei Antitruste ao caso. O assunto chegou a aparecer na primeira semana de julgamento do ano de 2010, realizada no mês de fevereiro, mas ainda não foi apreciado.

O STJ iniciou em setembro o julgamento da questão. Atualmente apenas três, dos sete ministros que compõem a sessão, proferiram voto. Os ministros Humberto Martins e Eliana Calmon (relatora) votaram pela competência exclusiva do Banco Central. Já o ministro Castro Meira entende que o Cade tem poder para apreciar atos de concentração potencialmente nocivos ao mercado financeiro que atua dentro da livre concorrência.

“Enquanto STJ demora para decidir, a última questão é a que prevalece”, disse Badin antes de saber que o negócio envolvendo o Banco do Brasil e a Nossa Caixa, a ser julgado no Cade, seria adiado. O julgamento teria um viés semelhante ao caso envolvendo BCN e Bradesco, já que se tratam que atos de concentração envolvendo bancos.

Ou seja, enquanto não se define se é Cade ou Bacen, o órgão antitruste prossegue com suas pautas, mas que, dependendo do julgamento do STJ, podem ser em vão.

Leis mais:
Cade deve julgar fusão entre Sadia e Perdigão em julho

Autor: Tags: , , ,