Publicidade

Posts com a Tag aquisições

terça-feira, 21 de janeiro de 2014 Escritórios, Fusões e Aquisições | 13:05

Veirano assume vice-liderança em fusões e aquisições

Compartilhe: Twitter

O Veirano Advogados assumiu a vice-liderança no volume total de operações de fusões e aquisições em 2013, totalizando 38 negociações e US$ 1,9 bi em volume assessorado, em relatório divulgado neste mês pela Bloomberg.

Para Carlos Lobo, sócio da área de fusões e aquisições do Veirano, esse avanço do escritório foi impulsionado pelo bom posicionamento da banca, especialmente nos setores de Mineração, Óleo e Gás, Tecnologia e Infraestrutura.

“Outro fator que ajudou a figurarmos nas primeiras posições foi o fato de o escritório ter ampliado a área de fusões e aquisições com sócios especialistas no assunto”, declara. Em 2013 o Veirano assessorou importantes processos de fusões e aquisições, como a compra da LLX pela EIG, a venda de participação da Aliansce pela GGP e compra da FMU pela Laureate.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011 Concorrência | 16:45

Cade pede ajuda à Abiplast para analisar negócio entre Quattor e Braskem

Compartilhe: Twitter

A Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), que ingressou como interessada no processo de análise da aquisição da Quattor pela Braskem, tem até o dia 17 de janeiro para fornecer informações sobre o negócio ao Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade). O objetivo do ofício emitido pelo órgão antitruste é ter novos elementos para embasar a decisão sobre o negócio.

“A Abiplast não é parte no processo, mas pode alterar o rumo da decisão do Cade. Isso porque a associação vai oferecer informações sobre como o negócio entre as empresas pode afetar o mercado de plástico. Ou seja, o Cade passa a ter uma nova fonte de informações”, afirma Ricardo Inglez de Souza, do Barreto, Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Advogados (BKBG), contratado pela Abiplast.

Segundo ele, o negócio entre as empresas afeta o mercado porque as duas oferecem resina para os associados da Abiplast. A associação representa mais de 11.400 empresas e têm faturamento de R$ 35 bilhões, todas dependentes das resinas fornecidas pela Braskem.

“A fusão gera um monopólio da oferta local. Na cesta básica do brasileiro, por exemplo, 100% dos produtos têm resina plástica de alguma forma. Portanto, a criação de um player nacional em que a Braskem está se transformando precisa de uma boa análise”, pondera Souza.

O advogado disse que o caso deve ser analisado pelo Cade entre fevereiro e março deste ano.

Leia mais:
Concluída a compra da Quattor, Braskem volta sua atenção aos Estados Unidos

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 21 de outubro de 2010 Advocacia | 08:37

Lobo & de Rizzo Advogados leva prêmio na área de fusões e aquisições

Compartilhe: Twitter

O escritório Lobo & de Rizzo Advogados foi novamente referido no Chambers Latin América. Na edição 20110, o escritório é referido citado nas áreas de fusões & aquisições, concorrência & antitruste, responsabilidade pelo produto e contencioso.

O guia elege os melhores escritórios de advocacia da região e os profissionais que mais se destacaram em seus respectivos expertises no Direito. O ranking do Chambers é constituído a partir de pesquisa realizada com clientes de grandes empresas dos países latino-americanos.

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 23 de julho de 2010 Concorrência, Fusões e Aquisições | 18:35

Fusões e aquisições cresceram 50% só no primeiro semestre de 2010

Compartilhe: Twitter

Só no primeiro semestre de 2010, a Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça -um dos três órgãos que compõem o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência (SBDC)- recebeu a notificação de 332 operações de fusões e aquisições entre empresas com atuação no Brasil.

“Isso significa um crescimento de 50%, comparando com as 207 notificações registradas no primeiro semestre do ano passado. O que mostra uma clara recuperação da economia”, avalia a diretora do Departamento de Proteção e Defesa Econômica (DPDE), Ana Paula Martinez.

Pela lei, todas as operações em que um dos grupos econômicos envolvidos tenha faturamento anual de R$ 400 milhões no Brasil ou detenham participação de pelo menos 20% do mercado afetado pela operação devem ser apresentadas às autoridades.

Leia mais:
Cade aprova aquisição de parte de duas empresas pela Votorantim
Renegociação entre Casas Bahia e Ponto Frio foi a mais complexa de 2010

Autor: Tags: , ,