Publicidade

quarta-feira, 18 de abril de 2018 Advocacia, Previdência | 13:03

Debate sobre reforma da previdência reúne deputados e entidades em SP

Compartilhe: Twitter

Um debate acalorado. Esse foi o balanço do evento realizado em São Paulo na última segunda-feira (16/4), na capital paulista, sobre o Sistema Previdenciário e a Reforma. O encontro, realizado no Golden Tulip Hotel e promovido pelo O escritório Innocenti Advogados Associados, contou com a presença e palestra do ex-ministro da Previdência, Carlos Gabas e o deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PP-SP), além do juiz de Direito, Dr. Fernando Figueiredo Bartoletti, presidente da Associação Paulista dos Magistrados (Apamagis), a também juíza Dra. Vanessa Ribeiro Mateus (Apamagis), o promotor José Oswaldo Molineiro, presidente da Associação Paulista do Ministério Público (APMP) e o também promotor Paulo Penteado Teixeira Júnior, primeiro secretário da APMP.

A abertura do simpósio ficou a cargo do sócio do Innocenti Advogados, Marco Antonio Innocenti. “A situação do servidor vem sendo desvalorizada e desmoralizada perante a sociedade em geral”, salientou. O magistrado Fernando Figueiredo Bartoletti já enfatizou na discussão de que a sociedade e o governo têm atribuído “o rombo da previdência aos servidores públicos”, fato veementemente levantado durante o evento. “Há uma campanha difamatória de que somos privilegiados, e isso não acontece, é uma inverdade”, cravou.

A opinião de Bartoletti e Innocenti foi endossada pelos demais palestrantes. O promotor Jose Oswaldo Molineiro salientou que os grandes e efetivos devedores da previdência nunca são incomodados. “Nos viramos a bola da vez. E dar pancadas faz parte para evitar que essa reforma privilegie uns e sacrifique outros”, disse. simposio

A reforma da previdência é uma das prioridades do governo federal, mas a matéria teve uma tramitação complicada no Congresso Nacional. O texto recebeu muitas emendas e se tornou alvo de obstruções. A matéria acabou sendo retirada de pauta no Congresso Nacional por conta da intervenção federal na área de segurança no estado do Rio de Janeiro. A medida veda que mudanças à Constituição Federal sejam apreciadas pelos parlamentares.
“O governo nunca debateu isso corretamente. Uma reforma não vai durar para sempre. Eu tenho menos de 20 anos na carreira pública e já passei por duas reformas. Mas queríamos que o governo ouvisse a sociedade e isso não ocorre. Eles oferecem propaganda mentirosa e com publicidade paga pelo dinheiro público”, afirmou a juíza Vanessa Ribeiro Mateus, vice-presidente da Apamagis.

De acordo com ela, minguem recolhe 14% para a previdência, apenas o servidor público que, ainda assim, tem sido massacrado nos discursos governamentais. “A propaganda contra o funcionalismo publico foi uma tentativa de confundir a população”, cravou a magistrada.

O raciocínio dela foi acompanhado pelo promotor Paulo Penteado Teixeira Júnior, eu trouxe diversos números para provar aos presentes que o servidor não “é o culpado pelas mazelas sociais”. “Trouxe gráficos e cálculos pessoais. Não é a previdência que deve ao Brasil, mas o Brasil que deve à previdência. Há uma injustiça conosco”, salientou. Na sequência, o promotor exaltou o deputado Arnaldo Faria de Sá, conhecido justamente pela sua defesa em prol dos aposentados.
“Ele foi um verdadeiro Leão dentro do Congresso, bem como o senador Paulo Paim (PT)”, comentou.

Durante a exposição do ex-ministro Gabas, que participou do governo Lula e Dilma, não é possível falar de previdência sem citar seguridade. “A reforma não tem nenhuma relação com o equilíbrio da previdência social. “A previdência não é o problema do País, mas, sim, faz parte da solução”, salientou o ex-ministro.

O deputado Arnaldo Faria de Sá foi o ultimo a falar. Em uma exposição enfática, curta, mas direta, ele chamou criticou a postura do governo federal, dos bancos e incentivou o uso das redes sociais para atacar e cobrar a classe política. “Temos de denunciar sem medo. A reforma da previdência será retomada. Só recuaram porque perderam o controle da manada com o envolvimento das denuncias envolvendo o presidente Michel Temer”, enfatizou o deputado.
Ele acredita que o tema será retomado ainda neste ano, após as eleições, “por interesse político”. “Vamos bater na rede social nessa canalhada toda e dizer não á reforma da previdência. É como eu sempre digo: praga de aposentado pega. Praga neles”.

Além dos palestrantes estiveram representantes da sociedade civil, advogados autônomos como Miriam Tavares; empresários como Claudio Acosta, da Maria Clean, e o produtor Geraldo Rodrigues, da GR Produções; o desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo Henrique Nelson Calandra, representantes da Associação dos Assistentes Jurídicos do Ministério Público do Estado de São Paulo (AAJUMP), o gerente do Ceagesp Pedro Horta, entre outros.

Autor: Tags: