Publicidade

quarta-feira, 23 de agosto de 2017 Judiciário | 16:04

Planos de saúde ganharam mais de 26 mil novos usuários em julho

Compartilhe: Twitter

A Agência Nacional de Saúde Suplementar informou que em julho deste ano mais 26,1 mil novos usuários passaram a contratar planos de saúde no País. Assim, o total de usuários cobertos por planos de saúde atingiu 47,3 milhões de beneficiários. Quando considerados os planos exclusivamente odontológicos, ingressaram no sistema 133,1 mil usuários totalizando 22,6 milhões de pacientes.

No maior mercado do País, o estado São Paulo, 17,3 milhões de pessoas são usuárias de planos de saúde. Na comparação com julho do ano passado, houve perda de usuários já que 17,9 milhões de pessoas eram atendidas por planos de saúde hospitalar.

O inverso se dá quando é colocado em análise o número de planos de saúde odontológicos no estado: em julho desse ano, pouco mais de 8 milhões de pessoas mantém planos odontológicos contra 7,2 milhões do mesmo período de 2016.

Importante considerar que “existe uma relação direta entre empregos e usuários de planos saúde. Com o alto índice de desemprego o número de usuários foi drasticamente reduzido e, agora, com o reaquecimento (ainda que pequeno) da economia em geração de novos postos de trabalho, evidenciaremos o aumento no número de usuários de planos de saúde” esclarece o advogado Leonardo Navarro,

O sócio do Sobral Navarro Advogados Associados, aponta que os números traduzem desde fatores econômicos a novas estratégias dos planos de saúde para buscar mais clientes.

“A adesão a planos coletivos tem um decréscimo em virtude do desemprego, que ainda mantém taxas muito altas no País (13,5 milhões de pessoas). Outro ponto é que as operadoras de planos de saúde tem adotado como estratégia atrair esse público com planos mais acessíveis, mas que nem sempre contemplam o atendimento individual plenamente”, adverte.

Existe discussão legislativa importante sobre novas formas de Planos de Saúde, todavia, as propostas apresentadas perante o Câmara dos Deputados e analisadas pelo advogado Navarro, possuem grande rejeição dos órgãos que defendem os consumidores, pois, objetivam alterar a forma de reajuste e reduzir o rol de atendimento.

Autor: Tags: