Publicidade

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 Consumidor, Empresas | 14:53

Diretor jurídico do Mercado Livre diz que empresa teve redução de processos

Compartilhe: Twitter

O advogado Ricardo Lagreca Siqueira, de 45 anos, já passou por diferentes ramos do setor de telecomunicações e, há um ano e meio, está a frente do departamento jurídico do Mercado Livre, portal na internet que liga vendedores e consumidores. Presente em 14 países, a receita da empresa atingiu US$ 556,5 milhões em 2014. O executivo comemora o fato de a empresa manter no Brasil índices crescentes de expansão contando com praticamente a mesma equipe interna no Jurídico, sendo está pautada para evitar e prevenir que demandas dos clientes cheguem ao calabouço do Judiciário.

“A empresa tem crescido numa média de 30%, 40% ao ano. No ano de 2014, fruto de trabalho preventivo e da própria empresa como um todo, que está engajada em atender melhor o consumidor, nós reduzimos em 25% o número de demandas em juizados especiais e Procon. Esse ano [a redução] está numa ordem de 15% sobre o ano passado. Está tendo um ganho de produtividade em números”.

Os frutos dessa forma de atuação estão sendo reconhecidos. No último dia 9 de setembro Mercado Livre e o Tribunal de Justiça de São Paulo assinaram um acordo que deu ao portal o selo de Empresa Amiga da Justiça. “Aí tem uma meta de redução de 5% nesse acordo”, completa Lagreca Siqueira.

Os prêmios e o reconhecimento não são uma novidade na carreira do advogado. Em 2012, quando atuava pela Sky, capitaneou um projeto denominado Totem de Conciliação. A ferramenta consiste num terminal no qual, via teleconferência, consumidor e empresa acordam a solução de seus problemas sem que a questão seja levada ao Judiciário. A iniciativa que na época foi implantada no Rio de Janeiro e no Distrito Federal foi premiada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – Conciliar é Legal – em 2012.

Com mestrado em Direito Internacional pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco conta que tinha seis anos de Sky quando surgiu a oportunidade de mudar. “Recebi um convite por headhunter e acabei conhecendo a empresa, me encantei, gostei muito da estrutura. E também mudar um pouco de setor. Eu já havia trabalhado em todos os setores do serviço de telecomunicações e, pra mim, foi uma mudança interessante uma empresa de internet que está crescendo. Apesar de, para muita gente, ser uma empresa pequena, ela já está na Nasdac [bolsa de valores de tecnologia], está em 14 países, tem uma estrutura bem interessante. E está crescendo muito. Apesar da crise a empresa está crescendo”, conta.

Nova governança
O jurídico conta com uma estrutura de 30 pessoas, sendo 18 advogados. A atividade está focada em quatro diferentes gerências e quatro escritórios parceiros. O Mercado Livre possui um setor de relações governamentais situado em Brasília, uma gerência regulatória que atua junto ao Banco Central – estrutura pioneira no País –, além de consultivo e coontencioso.

“Esse, que é regulatório/Bacen, que ninguém aqui no Brasil tinha, de ter alguém no Banco Central. A gente criou essa gerência, trouxe uma pessoa do mercado”, sublinha Ricardo Lagreca Siqueira.

Ainda sobre a estrutura na capital federal, Ricardo Lagreca Siqueira comenta que um gerente acompanha projetos de lei, a movimentação de associações. “Eu já trabalhava com relações governamentais na outra empresa, mas não era o responsável. Então isso foi interessante também, atuar mais nessa área. A gente tem uma pessoa que fica em Brasília, um gerente que fica acompanhando os projetos de lei, associações, todos os movimentos. Foi um atrativo para mim poder coordenar essa área”.

O executivo lembra que o clima de trabalho no Mercado Livre é outro ponto forte e que pode surpreender qualquer advogado acostumado a ritos, ternos e outras formalidades. “O clima aqui é muito interessante. Tem uma meta para as pessoas de gerar bom clima. Eu posso dizer que já trabalhei em vários lugares, já tive clientes muito estressados e a gente acaba gastando a maior parte da nossa energia para gerenciar stress e não sobra muita energia para o trabalho. Já aqui não, a gente tenta focar 100% em trabalho mesmo. A empresa não tem aquela estrutura hierárquica. Tudo mundo é sempre igual. Não tem sala, não tem secretária, num conceito de autosserviço. Na sede da empresa tem um lounge com pebolim,televisão, videogame. As pessoas podem vir trabalhar de bermuda no verão. Tem cara de empresa de internet mesmo”.

Metas
Como meta para esse ano e o próximo, o executivo do Mercado Livre quer manter a tendência de prevenção e conciliação. “A ideia nesse ano é diminuir bem o número de processos e, para o ano que vem, continuar com esse trabalho preventivo para usar esse grupo de advogados altamente qualificados que nós temos mais na prevenção do que na gestão de processos”, encerra.

A matéria acima foi publicada na revista Advogados, Mercado & Negócios, edição 53, e editada pela Colunista, também autora do texto, para a reprodução neste blog.

Autor: Tags: