Publicidade

domingo, 31 de agosto de 2014 Ministério Público | 22:11

Promotor do caso Richthofen se aposenta em setembro

Compartilhe: Twitter

Responsável pela acusação no caso Richthofen– julgamento das mortes do casal Manfred e Marísia von Richthofen, ocorrido em 2002, assassinados pelos irmãos Cravinhos (Daniel e Christian) a mando da filha Suzane von Richthofen–, o promotor Roberto Tardelli, do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) deixará o cargo em breve. A aposentadoria dele será publicada em 19 de setembro deste ano. O próprio promotor fez esse anúncio em uma rede social, e foi felicitado por muitos seguidores, que enalteceram o trabalho de Tardelli na promotoria paulista, mas lamentaram sua futura saída.

De um humor peculiar, Tardelli falou ao iG um pouco sobre sua carreira. “Entrei no MP em eras pre-colombianas. Para ter uma ideia, o presidente era o General Figueiredo e Opala era um carrão de bacana; Zico estava no auge da carreira, Sócrates ainda não sofria de cirrose, Chacrinha era vivo e José Serra era economista, Lula era sindicalista e computador só existia em filme de ficção científica”, brincou.

Tardelli não começou a carreira na capital paulista, onde está desde 1993. Ele ingressou Ministério Público de São Paulo em 18 de maio de 1984, passando por comarcas como Orlândia e Ribeirão Preto. Tardelli foi assessor de Procuradores Gerais de Justiça, membro da CEJAI (Comissão de Adoção Internacional do Tribunal de Justiça/SP) e promotor de infância e juventude.

O promotor –que também atuou em outros casos famosos, a exemplo do julgamento de Francisco de Assis Pereira, o “Maníaco do Parque”, disse que nunca pensou em ser promotor. “Nunca pensei. Quando vi um promotor trabalhando no fórum, eu era promotor. Aprendi na raça. Nunca tive um promotor modelo”, disse.

Tardelli é presidente de Honra do Movimento de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, ONG voltada ao atendimento de crianças e adolescente vítimas de maus tratos e abuso sexual. Também é conselheiro do Itenac – Instituto Tecnológico de Estudos para Normalização e Avaliação de Conformidade, sociedade civil sem fins lucrativos, voltada à afirmação de normas técnicas e de qualidade industrial. Integrante do Movimento Ministério Público Democrático, organização não governamental, voltada à democratização do acesso à Justiça. Além disso, o promotor é escritor e conferencista.

Até a publicação da aposentadoria, Tardelli permanece trabalhando no MP-SP e sai pouco antes de completar 56, data comemorada em outubro.

Veja um vídeo publicado por Roberto Tardelli em 2012

Autor: Tags: