Publicidade

quinta-feira, 9 de setembro de 2010 Mensalão, STF | 14:48

STF mantém processo do Mensalão com onze acusados na Corte

Compartilhe: Twitter

O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda em licença médica compareceu ao plenário da casa nesta quinta-feira (9/9) para, dentre outros casos, julgar o caso do Mensalão, que foi o primeiro item chamado à pauta. Barbosa negou os pedidos de desmembramento dos processos. Ou seja, que cada acusado responda em ação separada.

A decisão foi proferida em 9 minutos. Para Barbosa, o desmembramento traria prejuízo ao resultado final do caso. “O processo já é um desmembramento do denominado caso Mensalão, da ação penal 470. Os prejuízos superariam, em muito, os eventuais benefícios”, afirmou o ministro relator, que só viu discordar do seu voto o ministro Marco Aurélio.

“Deve haver o desmembramento não apenas aquele acusado que detém prerrogativa de foto. Há contrariedade ao principio do juízo natural”, disse o ministro.

O pedido de desmembramento era, dentre outros réus, do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza e do presidente do conselho de acionistas do Banco BMG, Flávio Pentagna.

Da decisão
Confira trechos do voto de Barbosa:

“O acolhimento do agravo não é possível sem que se cause prejuízo para a prestação jurisdicional. Explico: o réu José Genuíno é acusado unicamente do crime de falsidade ideológica. Essa conduta consistiria no fato dele ter sido avalista nos contratos de empréstimos supostamente firmado entre o Partido dos Trabalhadores (PT), que ele presidia, e o banco BMG, dirigido, entre outros réus, por Flávio Pentagna Guimarães.

Ele, por sua vez, é acusado de ser responsável pelo contrato referente ao empréstimo ao PT. Trata-se de uma ação de vontade conjunta dos réus, não sendo possível analisar o crime de falsidade ideológica imputada a um dos réus, sem analisar a conduta imputada aos demais acusadas, como de gestão fraudulenta de administração financeira.

Alem disso, empresário Marcos Valério, gestor da SMp&B Comunicação, foi avalista juntamente com Genuíno do mesmo empréstimo concedido ao PT. Ou seja, os fatos e as condutas dos réus são complementares dando resultado final. Se o processo for desmembrado o STF não terá competência para analisar a participação dos co-reus”.

Entenda
A ação foi recebida pela Justiça Federal de Minas Gerais um dia antes que o deputado federal José Genuíno fosse diplomado no cargo. Ou seja, a partir de assumir o cargo, o tribunal competente para julgar esse caso passou a ser o STF.

O processo que já havia sido recebido na Justiça mineira foi deslocado, com todos os réus, para o Supremo. Lá, os ministros receberam a ação penal contra os onze acusados. Agora, a discussão versa no fato de apenas um dos réus tinha prerrogativa de foro: Genuino, como deputado federal.

Os ministros podem desmembrar o processo se acharem que isso dará celeridade processual, principalmente quando há grande número de réus, o que pode acontecer a prescrição. Mas, no caso específico, Barbosa entendeu que os fatos entre os fatos envolvendo os acusados estão ligados e, portanto, não podem ser desmembrados.

Da acusação
Segundo a denúncia, o BMG teria concedido empréstimos fraudulentos ao Partido dos Trabalhadores e ao grupo de empresas pertencentes a Marcos Valério de Souza durante o período de tempo em que vigorou o esquema. A gestão fraudulenta teria acontecido pela celebração de contratos simulados com empresas que não tinham condições de quitar os empréstimos.

O processo do Mensalão corre contra integrantes do suposto esquema de desvios de verbas públicas e de compra de apoio político no Congresso Nacional, revelado em 2005. A denúncia que tornou 39 acusados réus foi aceita pela Corte em 28 de agosto de 2007, em um julgamento de cinco dias.

Acompanhe:
STF encerra fase de depoimentos de testemunhas do Mensalão
Réu do mensalão pede trancamento de ação penal no STF

Autor: Tags: , , , ,